Artigos Brasil Destaque Economia Emprego Futuro Econômico Inflação IPCA Mercado Opinião Privatização Reforma Administrativa Reforma da Previdência Reforma Tributária Sociedade

Opinião – Esse é o melhor momento. O que de ruim pode nos acontecer?

”Governo aposta no confronto sempre. Mas adota agenda pró-mercado. Ministro da Economia, Paulo Guedes minimiza o assédio dos Bolsonaros à democracia, destaca Traumann”

Na 1ª cena do imperdível filme argentino “A Odisseia dos Tontos”, 3 personagens discutem a ideia de montar uma cooperativa e ressuscitar uma fábrica de processamento de grãos fechada há décadas. “Você acha que este é o momento para encarar uma coisa assim?”, pergunta o personagem interpretado por Luis Brandoni. Ao que o ubíquo ator Ricardo Darín responde com uma pergunta retórica, “esse é o melhor momento. O que de ruim pode nos acontecer?”. A legenda informa, então, que estamos na Argentina de dezembro de 2001, às véspera do corralito (a versão piorada do nosso Plano Collor, que sequestrou e congelou todos os depósitos nos bancos). Sabendo o que aguarda os protagonistas do filme, é impossível não rir de nervoso.

Nesta semana, depois de 1 sem-número de adiamentos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, entrega ao Congresso a sua extensa agenda de reformas pós-Previdência. Desde as reformas do início do 1º governo FHC, não se vê algo tão radical. A Agenda Guedes autoriza a União a suspender serviços e reduzir salários e jornadas de servidores em caso de colapso financeiro,  reestrutura e reduz benefícios de dezenas de carreiras do serviço público, junta os gastos obrigatórios em saúde e educação numa rubrica, muda a repartição das verbas dos royalties de exploração de petróleo, impõe privatizações e cortes de gastos para renegociar as dívidas federais dos Estados e pede ao Congresso uma autorização em bloco para privatização de estatais.

Com a possível exceção do senador José Serra, nunca o Brasil teve 1 economista com tantas certezas quanto Paulo Guedes. O seu pacote redesenha o Estado brasileiro. Será 1 Estado mais enxuto, menos burocrático e menos poderoso –o sonho de 10 entre 10 empresários e agentes de mercado. Também será 1 Estado com menor capacidade de investimento, menos riqueza para distribuir em programas sociais e menos instrumentos para intervir na relação empresa-trabalhador.

Com Guedes enviando ao Congresso o projeto de 1 novo Brasil, o personagem de Odisseia dos Tontos poderia perguntar “Você acha que este é o momento para encarar uma coisa assim?” Paulo Guedes diria que sim. As condições macroeconômicas atuais são únicas. A inflação está abaixo dos 4% desde 2017, os juros estão caindo há 3 anos e hoje estão no piso histórico, as reservas internacionais seguem nos U$ 380 bilhões e o Congresso aprovou, só neste ano, a reforma da Previdência, a desburocratização dos negócios via Lei de Liberdade Econômica, o modelo do setor de telefonia e se prepara para novos marcos regulatórios para saneamento, óleo e gás e energia elétrica.

Mas como pergunta outro personagem no filme, “O que de ruim pode nos acontecer?”. Muitas coisas. Para começar, o risco do mau-humor internacional, base de uma eventual retomada do crescimento. Na semana passada, as companhias British Petroleum e Total decidiram não participar do megaleilão de exploração do pré-sal marcado para a próxima 4ª feira (6.nov.2019) e agora dependente da mão pesada da Petrobras. Deixar a política ambiental e diplomática nas mãos de irresponsáveis também não ajuda, mas hoje essas são questões menos urgentes.

O que de ruim pode acontecer com o Brasil vem das ações e tramas no Palácio do Planalto. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro comparou ministros do Supremo, opositores e o Congresso a hienas. A sua milícia digital acossa adversários dia e noite. O presidente ameaçou cassar a concessão da i e pediu publicamente que anunciantes boicotassem o jornal Folha de S.Paulo. O filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro defendeu, na hipótese de uma suposta “radicalização da esquerda”, a edição de 1 novo AI-5,  o instrumento que levou o país ao seu período mais sombrio. A dicotomia entre 1 governo que aposta no confronto sempre e uma agenda pró-mercado vai, com o tempo, mostrar suas contradições.

Em suas entrevistas, Guedes minimiza o assédio dos Bolsonaros à democracia. À Folha, o ministro tergiversou:

“As pessoas não estão avaliando o presidente pelos seus princípios. Ele é 1 cara genuíno. Reage como 1 ser humano normal. Se você não tiver de ser politicamente correto e alguém te infernizar, você xinga. Ele xinga. A gente se habituou a se conter para ter 1 convívio sociável. Mas bateram tanto nele que ele falou ‘ok, eu bato de volta’. Ele foi votado por 60 milhões de brasileiros que acham o seguinte: família é importante, o país é importante —querem 1 Brasil novo— Deus, segurança. Tem valores aí que ele representa. Então, ele tem de ser tratado com respeito. O que a mídia bate nele é 1 absurdo.”

Nesta visão condescendente, Bolsonaro é uma vítima. O ministro está errado. Bolsonaro foi eleito por 60 milhões que genuinamente votaram contra-tudo-isso-que-está-aí, mas isso não lhe dá o direito de fustigar a democracia e tratar adversários como inimigos a serem extintos.

O filme Odisseia dos Tontos é 1 retrato agridoce de como decisões econômicas catastróficas empurram uma nação inteira no desespero. Irmão univitelino da Argentina, o Brasil viveu essa mesma angústia por décadas de inflação, dívida externa e vulnerabilidade externa. A custos horríveis, o Brasil aprendeu os valores de uma economia razoavelmente saudável com liberdades políticas para todos. É notável como Guedes e parte relevante do establishment acreditam ser possível separar o programa econômico liberal da estratégia política autoritária. Não é.

 

 

 

Por Thomas Traumann, 52 anos, é jornalista, consultor de comunicação e autor do livro “O Pior Emprego do Mundo”, sobre ministros da Fazenda e crises econômicas. Trabalhou nas redações da Folha de S. Paulo, Veja e Época, foi diretor das empresas de comunicação corporativa Llorente&Cuenca e FSB, porta-voz e ministro de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff e pesquisador de políticas públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Dapp)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *