Análise Artigos Brasil Comportamento Corrupção Destaque Exército Brasileiro Opinião Oposição Política

Opinião – É impossível prever até quando a oposição vai morder a isca de Bolsonaro

Clã Bolsonaro adota dissonância. Eduardo é o detonador da vez. Pode nem sempre dar certo

As estratégias dos bolsonaristas são analisadas há pouco tempo, seja por acadêmicos seja por jornalistas –afinal faz menos de 2 anos que Jair Bolsonaro começou a ser levado a sério, o que não deixa de ser 1 erro. Na prática, tenta-se avaliar se há alguma estratégia mais pensada nas declarações e postagens dos integrantes do clã e dos aliados. As teorias pipocam tal qual variações de hits de música carnavalesca.

As melhores sacadas tratam declarações e postagens como estratégias militarizadas dissonantes. Quando a confusão é criada por algum dos integrantes do time de Bolsonaro, tudo parece perdido e confuso, a ponto de a oposição avançar –ou pelo menos acreditar que avança. Com a controvérsia estabelecida nas redes sociais e na mídia tradicional, chega-se próximo ao caos.

Poucas coisas são mais falsas nessa vida. A partir do volume provocado pela polêmica, o líder demora 1 pouco a aparecer, mas, de uma para outra, surge para colocar 1 basta. É o apaziguador, sempre pronto a mediar os debates. A teoria da “estratégia militar dissonante” é de Piero Leirner, professor de antropologia da Universidade Federal de São Carlos (UFScar).

O que o filho do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Eduardo –o embaixador que foi sem nunca ter sido– fez foi simplesmente ser o detonador da estratégia dissonante. O parlamentar disse: “Se a esquerda radicalizar, a gente vai precisar ter uma resposta. E a resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de 1 plebiscito, como ocorreu na Itália“.

DETONADOR

O papel de detonador da estratégia dissonante já foi exercido pelo vereador Carlos Bolsonaro ou por meia dúzia de parlamentares aliados com mais força nas redes sociais. A controvérsia se estabelece e a oposição e as entidades que defendem a democracia se insurgem contra a declaração amalucada. Mas aí aparece Bolsonaro para colocar panos quentes na polêmica.

De certa forma, foi o que ocorreu ao longo do dia de ontem. Depois de Jair Bolsonaro criticar a fala do filho, o próprio Eduardo se retratou. E a estratégia do caos e da paz mais uma vez foi usada. E parece ter funcionado.

O problema no jogo e na vida é que planos manjados não garantem vitórias sequenciadas, pois, 1 dia, o adversário consegue inevitavelmente se defender, mesmo que para isso tenha de passar a relevar as declarações amalucadas.

 

 

 

 

 

Por Leonardo Cavalcanti, recifense, recebeu e julgou os principais prêmios do jornalismo brasileiro. Pós-graduado em Comunicação pela UnB, tem MBA em Finanças e Gestão na FGV, onde desenvolveu projeto sobre lobby de armas. Ex-editor do Correio Braziliense, foi colaborador da revista Newsweek.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *