Jornal Correio da Semana » Blog Archives

Author Archives: Kadu Rachid

Variedades

Companhia aérea embarca crianças em voos errados

Um menino que vinha da cidade de Spokane, no estado de Washington (EUA), deveria embarcar para Boston, no estado de Massachusetts. Ele desceu no aerporto de Minneapolis, quando houve a troca de voo com uma menina que também esperava para embarcar. As duas crianças voavam sozinhas, com autorização dos pais.

Funcionários do aeroporto trocaram os documentos de embarque e enviaram os jovens para as cidades trocadas. O menino foi parar em Cleveland (Ohio), e a menina desceu do avião em Boston.

Kieren Kershaw, de 9 anos de idade, percebeu que estava no voo errado e comunicou a aeromoça. “Foi muito estranho porque deveria estar indo para Boston e fui parar em Cleveland”, disse o menino ao canal WTNH.

Assim que percebeu o erro, a Delta Air Lines colocou as crianças em novos voos e se desculpou alimentando os pequenos com fast food e donuts.

Novidade

Intermat notifica centenas de casos de vendas de lotes em MT

O Intermat encaminhou para o Ministério Público Estadual (MPE) 71 notificações de pessoas que venderam lotes em assentamentos e vilas rurais. São 24 lotes no Projeto de Assentamento (PA) Serra das Laranjeiras, em Cuiabá, 29 lotes no PA Facão, em Cáceres, 5 na Vila Rural Zeca da Doca, em São Félix do Araguaia, 1 no PA Tia Irene, em São Félix do Araguaia, 4 na Vila Rural Santana, em Nossa Senhora do Livramento e 8 no PA João Ponce de Arruda, em Poconé

Além desses casos encaminhados da Diretoria Agrária a Assessoria Jurídica do Intermat, que por sua vez, encaminhou os casos para o MPE, para que tomasse as providências jurídicas necessárias, há outras centenas de notificações feitas pela Diretoria Agrária junto aos assentados avisando que os lotes não podem ser comercializados, mas que ainda não foram levados ao conhecimento do Ministério Público

“O Intermat não tem poder de polícia para retirar famílias quando constatado a negociação do lote da reforma agrária, por isso, precisa acionar as autoridades competentes”, explica o diretor Agrário do órgão, Warlen Rosa.

De acordo com o presidente do Intermat, Afonso Dalberto, existem casos em que o ocupante de determinado lote adquirido irregularmente não é notificado e permanece assentado normalmente por ter perfil da reforma agrária. “Se possuir os requisitos necessários para ser contemplado, como, por exemplo, não ser funcionário público, não possuir qualquer tipo de propriedade ou terra”.

A criação de assentamentos do Intermat ocorrem em áreas devolutas já ocupadas, repassadas de geração em geração de uma mesma família. As áreas são cadastradas no Sistema de Informações de Projetos de Reforma Agrária (Sipra) do Intermat.

A família então é beneficiada com casa de alvenaria, recebe cesta básica, bolsa fomento para aquisição de enxadas, arame, foice, dentre outros itens utilizados no campo. As famílias também passam a ter acesso à energia elétrica.

Em Mato Grosso há 30 assentamentos convencionais, 69 assentamentos tradicionais e 25 vilas rurais. São cerca de 11 mil assentados pelo Intermat. O mais antigo foi criado em 1996.

Variedades

Orquestra Jovem do Estado de Mato Grosso interpreta de Mozart a Noel Rosa

Formada por talentosos instrumentistas que se destacam nas aulas do Projeto Ciranda – Música e Cidadania, a Orquestra Jovem do Estado de Mato Grosso realiza a primeira de duas apresentações oficiais marcadas para 2010, nesta quarta-feira, 16 de junho, às 20 horas, no palco do Cine Teatro Cuiabá. Os ingressos serão vendidos a R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia), desde terça-feira, (13.06), na bilheteria do Cine Teatro Cuiabá, sempre das 14 às18 horas.

O concerto do mês de junho apresenta um repertório sinfônico e distinto. Para abrir o espetáculo, uma importante peça da literatura universal, Sinfonia nº 40 em sol menor – k550, de W. Amadeus Mozart. Em seguida, a OJEM interpreta o Verão Porteño do maestro argentino Astor Piazzolla, com arranjo de N. Abreu. Por fim, a Suíte Noel Rosa, um pot-pourri com canções do compositor carioca, arranjado por Vitor Gorni.

A Orquestra Jovem do Estado de Mato Grosso é um grupo de repertório. O que isso significa? O maestro Murilo Alves explica que os alunos, além de estudarem seus instrumentos específicos com músicos profissionais, dedicam um bom tempo de seus estudos a um repertório tradicional, comum em grandes orquestras. “Este concerto marca o encerramento das atividades do Projeto Ciranda – Musica e Cidadania, no primeiro semestre, e é de suma importância que estes jovens mostrem na prática o que aprenderam durante esses meses de estudo”, conclui o maestro Alves.

Com formação sinfônica, a Orquestra Jovem de Mato Grosso está sob a batuta do maestro Murilo Alves, à frente do grupo desde a criação, em 2008. Além dos instrumentistas de arco, o grupo apresenta em sua formação instrumentos das famílias das madeiras, metais e percussão.

Ao todo, serão 40 instrumentistas em palco, dentre professores [músicos profissionais que atuam na Orquestra de Mato Grosso] e estudantes de música do Projeto Ciranda.

O percussionista Wender de Miranda Couto, aluno do Projeto Ciranda desde a fundação, estará entre os 40 instrumentistas que apresentarão o concerto de junho. “Comecei a tocar há seis anos. De lá pra cá, chego a estudar até três horas por dia, todos os dias. Sou integrante da Orquestra Jovem de Mato Grosso desde a formação do grupo. Apresentar-me com este grupo é muito importante porque terei a oportunidade de mostra os frutos do meu trabalho”, explica o jovem percussionista de 19 anos, que já se apresenta profissionalmente desde os 17, inclusive na Orquestra do Estado de Mato Grosso e em outros grupos de música popular como a banda Bione e o grupo de choro Afinado, tocando bateria.

A Orquestra Jovem do Estado de Mato Grosso proporciona a jovens talentosos em início de carreira, suas primeiras experiências musicais antes de chegarem ao nível profissional. “Consideramos fundamental a participação dos alunos de instrumento em um grupo musical, tendo em vista a importância de vivenciar a prática musical em grupo, especialmente em uma orquestra, com todos os desdobramentos no sentido do desenvolvimento musical que isso proporciona. Essa orquestra é fruto de muito esforço de todas as partes envolvidas, é algo que não se consegue em um curto prazo, ao contrário, demanda muito envolvimento, trabalho, direção e vontade de efetivamente realizar algo dessa natureza”, detalha o maestro Murilo Alves.