Jornal Correio da Semana » Blog Archives

Author Archives: Kadu Rachid

Esportes

“É possível fazer melhor”, diz brasileiro em Vanvouver

Publicado por

Pela terceira vez, os Jogos Olímpicos de Inverno acontecem no Canadá

Em sua primeira participação nos Jogos Olímpicos de Inverno, Jhonatan Longhi terminou na 56º colocação a prova de slalom gigante em Vancouver. No total das duas baterias disputadas nesta terça-feira, o brasileiro registrou 2min54s03 (1min24s76 e 1min29s27), desempenho que deixou o próprio decepcionado.

“Não esquiei bem como vinha fazendo nos treinamentos. Gosto de esquiar no gelo e hoje a neve está muito mole. A pista está diferente de como estava nos últimos dias. Esperava fazer um tempo melhor do que fiz”, afirmou o esquiador, que se recupera de uma contusão no ombro esquerdo.

“Na segunda decida, bati com força com o braço esquerdo na porta e senti novamente a contusão. Doeu muito na hora, mas eu não pensei em abandonar a prova. Estou fazendo duas horas diárias de fisioterapia. Estava me sentindo melhor, mas na segunda descida senti uma dor muito forte”, acrescentou.

Longhi assegura que a parte emocional não atrapalhou seu desempenho em Vancouver. “Não me senti nervoso e achei o percurso muito bom. Mas não fiquei feliz com meu tempo. Cometi alguns erros na parte mais reta da pista que não estavam previstos. Esperava que a pista estivesse mais gelada como nos últimos dias”, lamentou.

Jhony, como é chamado pelo restante dos companheiros, volta a Creekside para a prova de slalom especial no próximo sábado. Em sua despedida dos Jogos de Inverno de Vancouver, ele tem a chance de provar suas palavras. “É possível fazer melhor”, afirmou.

A medalha de ouro na prova de slalom gigante disputada nesta terça-feira ficou com o suíço Carlo Janka (2min37s83). O norueguês Kjetil Jansrud conquistou a prata (2min38s22) e viu o compatriota Aksel Lund Svindal (2min38s44) completar o pódio no Canadá.

História dos jogos

Idealizados pelo Barão Pierre de Coubertin em 1896, em Atenas, os Jogos Olímpicos alcançaram rapidamente enorme sucesso. A cada edição novos esportes eram incluídos no programa oficial. Em 1908, em Londres, foi disputado, por exemplo, a patinação artística no gelo. Em 1920, em Antuérpia, também fez parte o hóquei no gelo.

A inclusão de modalidades típica de países em que há baixas temperaturas, trazia alguns problemas, pois os Jogos sempre se desenvolviam no verão.

Além disso, era cada vez maior a participação de nações em que estes esportes eram quase desconhecidos.

Em 1924, ano em que se realizaria os Jogos de Paris, o COI (Comitê Olímpico Internacional) decidiu promover de 24 de janeiro a 5 de fevereiro em Chamonix, na França, um evento apenas com modalidades praticadas no gelo. Inicialmente a competição ganhou status de “A Semana Internacional de Esportes de Inverno”. Dois anos depois, no entanto, o COI reconheceu oficialmente o evento como os primeiros Jogos Olímpicos de Inverno.

Fizeram parte do programa dos Jogos de Chamonix cinco modalidades: esqui nórdico, patinação artística, patinação de velocidade, hóquei no gelo e trenó. Um total de 14 provas foram realizadas. A competição teve a participação de 258 atletas (245 homens e 13 mulheres), representando 16 nações.

Este ano a competição é realizada na cidade canadense de Vancouver. Os jogos tiveram início dia de 12 e terminam dia 28 de fevereiro. A competição conta com a presença de 5.500 atletas em 15 modalidades. É a terceira vez que o certame é realizado em solo canadiano.

(Fonte: Record)

Economia

Brasil paga a tarifa de celular mais cara do mundo

Publicado por

O consumidor brasileiro continua a pagar a fatura mais cara do mundo pelo uso do telefone celular, de acordo com o índice de Paridade de Poder de Compra (PPP), apesar de estar gastando menos de sua renda com esse serviço. É o que mostra a União Internacional de Telecomunicações (UIT) numa comparação entre 159 países.

De 2008 para 2009, o preço da tarifa do celular no Brasil caiu 25%, da banda larga 52% e da telefonia fixa 63%, levando em conta a renda per capita, que aumentou. Mas o relatório da UIT mostra que esses custos continuam elevados e representam “sério obstáculo” ao acesso e desenvolvimento das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) no país. A utilização de TIC aumenta no mundo, enquanto os preços caem. A demanda é mais forte nos países em desenvolvimento, onde as operadoras devem continuar investindo.

Segundo a entidade, o custo de uso de banda larga caiu 42% no mundo, comparado a 25% para celular e 20% para telefonia fixa. A UIT calcula que 57% das pessoas nos países em desenvolvimento tenham agora acesso a celular, comparado a 23% há cinco anos. Os usuários de celular chegarão a 5 bilhões no fim do ano, segundo a entidade. Nos países desenvolvidos, a penetração é de mais de 100%.

Sem surpresa, a população dos países ricos gasta menos de sua renda, em percentual, para ter acesso a tecnologia, do que os consumidores dos países em desenvolvimento. O índice coloca a Suécia como o país mais desenvolvido em termos de acesso, uso e conhecimento de TIC, seguido por Luxemburgo, Coreia do Sul, Dinamarca e Holanda. Os Estados Unidos ficam na 19ª posição, atrás da França. O Brasil continua em 60º lugar no Índice de Desenvolvimento de TIC. A classificação é a mesma do ano passado.

O brasileiro continua a pagar mais na comparação internacional, apesar de desde o ano passado destinar menos de sua renda para os serviços de telecomunicações. Um preço-chave, para a UIT, é o uso de internet veloz, que continua a ser um luxo reservado a poucos.

No Brasil, o preço do pacote de banda larga leva em conta o custo da assinatura e ficaria em média em US$ 34 em paridade de poder de compra (PPC), comparado a US$ 7 em Israel e US$ 20 nos EUA. A PPC corresponde a taxa de câmbio entre duas moedas, calculada conforme a quantidade de cada moeda que é necessária para comprar um determinado produto e serviço idêntico no país.

No caso do telefone celular, o Brasil fica em 121º lugar entre os 159 países no custo dos serviços. Mas levando em conta a paridade de poder de compra, fica em último. O custo por um pacote de 25 chamadas e 30 torpedos é estimado em US$ 42 por mês, comparado a US$ 1 em Hong Kong, US$ 9,8 na Suíça e US$ 14,6 no México.A taxa de penetração de celular no Brasil está próxima da taxa de oito anos atrás na Suécia, por exemplo.

Para a UIT, isso está claramente ligado aos custos dos serviços no país, apesar da redução na tarifa em 2009. O estudo revela diferenças enormes nos preços entre países. No caso da telefonia fixa, o pacote básico no Brasil custa US$ 13,4 pela assinatura, enquanto no Irã seria de apenas US$ 0,20. A média é de US$ 9 nos países em desenvolvimento.

(Fonte: Mídia News)

Política

Os juízes mato-grossenses “afrontaram a ética”, diz o conselheiro Ives Gandra

Publicado por

O conselheiro Yves Gandra Martins Filho considerou o julgamento dos dez magistrados de Mato Grosso acusados de desviar dinheiro do Tribunal de Justiça como “o mais importante do Conselho Nacional de Justiça, nos últimos tempos”.

Gandra, que relatou o processo disciplinar que aposentou, compulsoriamente, três desembargadores e sete juízes, disse, em entrevista exclusiva ao MidiaNews e ao Olhar Direto, em Brasília, na terça-feira (23), que “em muitos casos, os magistrados têm pouco sentido ético”.

Para o conselheiro, pelo CNJ já passaram matérias sobre questões bem mais amplas, mas, considerando a questão puramente ética e o respeito ao Código de Ética da Magistratura, o julgamento dos magistrados de Mato Grosso foi “mais importante do CNJ”.

Ives Gandra disse entender que os juízes mato-grossenses “afrontaram a ética, criaram regras em benefício próprio para o recebimento de recursos públicos, em detrimento de critérios claros e transparentes. Ele acha que o resultado que o CNJ apresentou para o país, ontem, vai abrir um precedente para outras decisões punitivas dentro do CNJ.

Confira os principais trechos da entrevista de Yves Gandra Martins Filho:

Qual o significado da decisão do CNJ e o efeito prático daqui para frente em relação aos tribunais a esse tipo de procedimento de se punir condutas indevidas?

O que ficou claro nesse processo não foi questão de corrupção, foi questão de desvio ético. Ou seja, usar a coisa pública para fim privado, por mais nobre que fosse o fim privado, não se pode usar dinheiro publico para resolver problema de instituição privada. E o que se viu nesse processo claramente foi que um problema que existia numa determinada instituição, e os juízes que participavam desta instituição, tendo que resolver, encontraram a forma mais simples já que não havia critério para pagamento de atrasados, se pagava para os mais necessitados, se julgaram mais necessitados e se pagaram a si mesmos ou a quem topava servir de intermediário.

A decisão é inédita, e muitos inclusive não esperavam uma postura tão contundente e efetiva por parte do CNJ, que decidiu por unanimidade. O Sr acha que a partir de agora abres-se um precedente pra esse tipo de decisão?

Nesse caso concreto, se vê claramente o código de ética da magistratura nacional vai ser cobrado pelo CNJ. As condutas que estão no código, são para serem vividas, não só para serem idealizadas. Nesse caso concreto, o que se viu foi claramente que as pessoas que cumpriam a administração não tinham dinheiro suficiente para pagar todos, então pagaram-se primeiro a si mesmo. E em valores astronomicamente maiores do que os dos demais magistrados. Isso fere o sentido ético do cidadão comum, muito mais dos magistrados.

Essa decisão é uma demonstração também de que o país esta mudando…

Claro. Cobra-se ética do Executivo, do Legislativo e, muitas vezes se imaginam puxa o poder judiciário , ele tem que viver especialmente a ética, e nós vamos vendo que em muitos casos alguns magistrados tem pouco sentido ético. Quer dizer, vão convivendo com situações como se fossem normais quando não são absolutamente normais. É isso que está acontecendo.

Foi um dos julgamentos mais importantes do CNJ?

Do ponto de vista de exigência de uma conduta ética, de acordo com o código de ética da magistratura nacional, é a mais impactante efetivamente.

O senhor vai recomendar ao Ministério Publico Federal que se abra uma investigação para que o dinheiro seja devolvido?

Como nós verificamos que não só os pagamentos foram privilegiados, mas também foram pagas parcelas já prescritas, com índices bem mais benéficos para os magistrados, com rubricas que eram indevidas para magistrados estaduais e coisas do gênero, não só que sejam aposentados, mas que devolvam o dinheiro que receberam indevidamente, Isso cabe ao Ministério Público.

(Fonte: Mídia News)