Category Archives: Comportamento

Comportamento Geral Mundo Novidade

EUA reabrem embaixadas fechadas por alerta de segurança

Algumas das embaixadas americanas fechadas no dia 4 de agosto por um alerta de segurança envolvendo riscos de ataques da rede terrorista da Al-Qaeda reabriram neste domingo (11), enquanto outras permaneceram fechadas devido aos feriados muçulmanos que marcam o fim do mês sagrado do Ramadã.

A embaixada de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, e o consulado americano em Dubai reabriram, já que o feriado que marca o fim do mês de jejum chegou ao fim no país.

A embaixada na Líbia também reabriu neste domingo.

Na Arábia Saudita, a embaixada em Riad e os consulados em Jidá e Dhahran permaneceram fechados, assim como a embaixada americana no vizinho Qatar. Elas devem reabrir no dia 14 de agosto, quando os feriados terminarem nestas duas nações.

No Bahrein e no Kuwait, as embaixadas americanas devem reabrir na segunda-feira.

Washington fechou as suas missões no Oriente Médio e na África na semana passada, depois de um alerta de segurança.

Comunicações interceptadas teriam captado mensagens eletrônicas entre o chefe da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, e o líder da rede radical islâmica na Península Arábica (cuja sede encontra-se no Iêmen), Nasser al-Wuhayshi.

Nestas mensagens, Al-Zawahiri ordenava a organização de atentados a partir de domingo passado.

Os Estados Unidos informaram na sexta-feira que todas as embaixadas fechadas seriam reabertas nesta semana, com exceção da missão no Iêmen.

Fonte: G1

Comportamento MT Política

Câmara de Vereadores anuncia exoneração de servidores comissionados

Com orçamento mensal de R$ 2,6 milhões, a Câmara de Vereadores de Cuiabá anunciou a exoneração de 20% do total de 119 comissionados da Casa. Além do corte, a Mesa Diretora está extinguindo secretariais legislativas, como: Secretaria de Informática, que volta a ser uma diretoria, e a Secretaria de Planejamento.

Só com as exonerações, o orçamento irá apresentar uma economia de aproximadamente R$ 130 mil mensal. Até o final deste mês, o presidente João Emanuel (PSD) deve anunciar o corte de mais 30% dos funcionários comissionados.

Segundo dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE), nos quatro primeiros meses deste ano, a Câmara já empenhou R$ 26 milhões para despesas gerais, incluindo salários e verbas indenizatórias dos parlamentares.

O valor é semelhante ao utilizado em todo o ano 2012, pela antiga legislatura, que chegou a R$ 26,8 milhões em 12 meses. Na gestão passada havia 19 vereadores na Casa, mas com o acréscimo de seis vagas a Casa saltou para 25 cadeiras disponíveis. Seguindo esse ritmo, a ampliação deve gerar aos cofres públicos a oneração de aproximadamente R$ 208 milhões neste ano.

Para o vice-presidente Onofre Júnior (PSB) o aumento de seis cadeiras, por si só, não é responsável pela oneração na receita. “Há pagamento de mais seis salários, mas há ainda pagamento de verba, gastos com pessoal e demais despesas. É claro que íamos ter que cortar as despesas”, disse ele.

Segundo o primeiro-secretário, vereador Maurélio Ribeiro (PSDB), disse que a Câmara fez um levantamento e por isso optou por fazer a adequação financeira. Questionado sobre o fato de a Casa priorizar altos salários, em detrimento de geração de emprego e renda, o tucano reagiu e disse que não foi essa gestão que proporcionou o aumento de salários aos vereadores.

“A gente quer que a população entenda que não foi essa mesa que aumentou o número de vereadores e nem os salários. Foi uma decisão da antiga gestão. É claro que todos querem melhorias salariais, condições de trabalho melhor, mas cabe ao presidente gerir a Casa com o que temos em caixa”.

“Vamos cortar na nossa própria estrutura. Essa medida não é pra viabilizar apenas o ganho do vereador, mas a gestão da Casa. Tem ‘gordura’ para tirar. Existia um excesso que precisava ser corrigido”, afirmou o vereador.

Fonte: Repórter MT

Comportamento Novidade Política

Mauro Mendes veta 4 dos 5 Projetos de Lei que mudavam “regras” do transporte público em Cuiabá

O prefeito Mauro Mendes decidiu vetar quatro dos cinco projetos de lei relacionados ao transporte público em Cuiabá aprovados pela Câmara de Vereadores após pressão de movimentos populares que saíram as ruas para inúmeros protestos. Três foram vetados totalmente e um parcialmente, sendo sancionado de forma plena o PL que prevê o aumento do tempo para integração entre ônibus coletivos para duas horas e trinta minutos.

O parcial foi para o projeto de lei que proíbe os motoristas de exercer a função de cobrar os passageiros e previa o retorno obrigatório dos cobradores ao transporte público. Mendes vetou o retorno dos bilheteiros para evitar um aumento na tarifa de ônibus causado devido a contratação desses profissionais. Além disso, em nota a imprensa, é explicada que não há necessidade do cobrador com o uso da bilhetagem eletrônica.

Os vetos totais foram para a volta da circulação em dinheiro em espécie dentro dos ônibus, a ampliação do benefício do passe livre estudantil para pós-graduandos e o livre uso da passagem gratuita em qualquer horário pelos estudantes.

Pela segurança

Garantir a segurança dentro do transporte público foi o argumento usado para vetar a volta da circulação do dinheiro em espécie. De acordo com a nota da prefeitura, a redução do número de assaltos dentro dos ônibus desde a retirada do dinheiro foi substancial e o retorno da moeda poderia trazer de volta a violência.

Conforme dados divulgados pelo Sindicato dos Motoristas, a média era de 400 assaltos anuais enquanto o dinheiro era usado. Em 2013, no entanto, até o meio do ano foram contabilizados 88 assaltos, garantindo assim uma redução significativa.

“Enfim, se houve justificativa de segurança pública para a implantação do sistema de bilhetagem eletrônica, é um retrocesso possibilitar novamente a utilização de moeda corrente para ingresso nos veículos”, diz trecho da nota.

Além disso, a prefeitura acredita que não há prejuízo para nenhum usuário pela dificuldade em ter acesso ao cartão, uma vez que quem não tiver o cartão será transportado até o próximo ponto de venda, sem prejuízo à sua mobilidade.

Contra outra lei

Os projetos de lei que versam disponibilidade do passe livre estudantil em qualquer horário e sobre a expansão do direito a gratuidade aos graduandos seriam inconstitucionais por gerar aumento de despesa para o município sem a previsão dos recursos orçamentários para o atendimento dos novos encargos.

Além disso, também feriria a a Lei Municipal nº 3.713, de 23 de dezembro de 1997, que estabelece que “qualquer matéria que venha a instituir benefícios de gratuidade e/ou descontos no Transporte Coletivo de Cuiabá deverá indicar a fonte de recursos que o sustentarão”.

Quando ao horário livre, a prefeitura ainda considera o projeto “inócuo porque a atual legislação já assegura ao estudante o direito ao passe livre estudantil para participar de todas as atividades esportivas e culturais da escola, bastando, para isso, a apresentação de um documento da escola onde conste informação de que existem tais atividades”.

Fonte: Olhar Direto